Curso NR-35


12523852_1024114150993487_4391571459730936315_nMuitos artistas circenses ainda não sabem, porém cada vez mais está sendo exigido o certificado de NR-35 para execução de montagens de aparelhos aéreos. SESCs e grandes teatros já não permitem mais a montagem sem que o técnico tenha essa certificação.

Pensando nisso, estamos oferecendo o treinamento e o certificado que comprova carga horária mínima exigida de 8 horas, com o intuito de cada vez mais informar e preparar os artistas e profissionais do circo para as novas exigências do mercado.

O QUE É NR-35?

NR-35 (Norma Regulamentadora N° 35) é a norma criada pelo ministério do trabalho e do emprego (MTE), que estabelece os requisitos e medidas de proteção para que o trabalhador realize em segurança, atividades remuneradas acima de 2,00 metros do nível inferior, onde haja risco de queda. Ela abrange tudo o que concerne ao “trabalho em altura”.

COMO CONSIGO UM CERTIFICADO DE NR-35 PARA PODER TRABALHAR EM ALTURA?

A própria norma NR-35 estabelece que o trabalhador precisa realizar um treinamento com uma carga horaria mínima de 8 horas, ministrado por um instrutor com proficiência no trabalho em altura. O certificado precisa ser assinado por um técnico de segurança do trabalho e pelo instrutor. No final do treinamento será feita uma avaliação escrita, se for aprovado, o trabalhador poderá receber o certificado de “NR-35 Trabalho em altura”. A norma também estipula que devem ser feitas reciclagens a cada 2 anos, então o certificado tem validade durante este período de tempo.

O QUE EU VOU APRENDER NO TREINAMENTO DE NR35?

A norma exige os seguintes itens obrigatórios como conteúdo dos treinamentos:

a) Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura.

b) Análise de Risco e condições impeditivas.

c) Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle.

d) Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva.

e) Equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso.

f) Acidentes típicos em trabalhos em altura.

g) Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros.

O conteúdo do treinamento também deve estar adaptado de acordo às necessidades e características da atividade principal do trabalhador. Por exemplo, o treinamento de um técnico que sobe em torres de telecomunicações não pode ser igual ao de um rigger de circo.

 

Ficou interessado? Mande um e-mail para a escola com seus dados e posicionando o interesse que assim que agendarmos a próxima data você será notificado: contato@arenadeartes.com.br